segunda-feira, setembro 11, 2006

vertigem



Abana-me a vertigem
De um pensamento virgem
De uma vontade primeira

Adoça-me a boca a palavra
Antes de dita, sonhada
Perdida sem eira nem beira

Ilumina-me a ilusão
Alimenta-me a paixão
De todo o horizonte incerto

Alongo-me imenso no prazer
De me sentir a perder
Quando o longe vem tão perto

Pintem-me assim, nesta paisagem
Neste sonho, esta miragem
De não ser pedra nem vento

Sou ausência de matéria
Alimento-me da “miséria”
Que vos rodeia sem intento

Não me peçam nunca nada
Que tudo o que sou não me sobra
Que tudo o que sinto é de um louco

Nasci já, com os pés para a cova
E o tempo, sabe-me a pouco

jorge@ntunes

3 comentários:

Paula Antunes disse...

Se nasces-te foi por algum motivo...

Beijos

Paula Raposo disse...

O tempo sabe sempre a pouco. Tão pouco, tão curto, tão sem se poder parar. Beijos.

Geminiana disse...

AMEI, AMEI,AMEI...APESAR DE NOTAR UMA CERTA TRISTEZA EM TI.PQ TANTA TRISTEZA? QUERO TE VER SORRINDO.
QUERO QUE SAIBA QUE ESTOU SEMPRE PASSANDO POR AQUI, MESMO SEM NADA COMENTAR, POIS...

UM FORTE ABRAÇO E QUE DEUS TE ULIMINE SEMPRE.

GEMINIANA

Related Posts with Thumbnails