terça-feira, agosto 11, 2009

ruas tristes




Passo pla rua que passa
Na rua do meu pensamento
E a cada passo, a cada rua
Passo por mim, e quando passo
De mim, só passa o vento

Sem figura, sem retrato
Passo na rua que passo
A ver a rua passar
Pelo passo com que traço
Um pensamento prosaico
Caído na rua a sangrar

E quem passa, passa ao largo
Sempre num passo apressado
Como se não houvesse rua
Nem a minha alma nua
Prostrada nesse empedrado

Pedra fria, rua triste
No pensamento que existe
Na rua que leva o tempo
Que apaga os passos que deixo
E a rua que desleixo
Porque passo sendo o vento…

jorge@ntunes

3 comentários:

prAia em Mim disse...

a alma é um labirinto de ruas e ruelas, onde por vezes o vento é companheiro da nossa solidão...um bj

Aмbзr Girℓ ⅞ disse...

escrevi um poema a um tempo atrás com essa temática. nos passa uma solidão falar de ruas assim. vc foi perfeito ao falar disso.

Blog Suicide Virgin

Geminiana disse...

Triste,sem dúvida,mas é sempre uma satisfação,um prazer partilhar dos teus sentimentos,das tuas emoções.
Mesmo triste...AMEI!

Um beijinho grande no teu coração:)

Related Posts with Thumbnails