quinta-feira, outubro 02, 2008

hoje... sem teu beijo




Hoje a lua não nasceu
Não se abeirou da minha janela
Hoje, a noite nasceu
Apenas breu. Saudade dela!

Musa das minhas horas tristes
Das minhas insónias carpidas
Num mar aonde me existes
Noites, sem ti, perdidas

E a lua, imagem tua
Desse longe a que não chego
Por mais que corram meus sonhos
Por esse céu, a que não pertenço

Hoje escrevi-te versos
A ti, lua, deste meu poema
Mas tu não estás. E onde estás
Passas sem mim, vaga, serena

Mas o vendaval que me assola
O poema que me molda
Este sentir de te não ter

Rima com a noite que me devora
De me perder nesta hora
De me sentir a morrer

Foste deitar teu corpo
Foste, sem um último beijo
Foste, sendo lua, sendo noite
Ficou-me por ti, o desejo

Dormes talvez, ou talvez
Nem durmas nunca, não sei
Escrevo poemas sem ti
E que só pra ti escreverei

E da minha janela que fecho
Sem ver da noite o desfecho
Deste poema que me sonega

Sonho-te lua e desejo
E espero sempre o teu beijo
Que esta noite, hoje, me nega

jorge@ntunes

1 comentário:

@lexis disse...

Estende a mão
Sente a minha pele pedindo a tua
Mesmo por entre a roupa

Fecha os olhos
Cheira o meu querer-te tanto
Mesmo que eu não esteja

Abre a boca
Saboreia e beija-me
Mesmo que não me vejas

O beijo que não sentiste da minha boca
Sente agora com o coração
Amo-te muito para além de mim

Related Posts with Thumbnails