quarta-feira, junho 21, 2006

vieste...



Sempre vieste...
Julguei-me sempre pla tua inexistência.
Paciência.
Não posso ganhar sempre, e eu nunca ganho.

Sempre vieste...
Mesmo contra todas as ciências ou crenças.
Teimosa como és vieste talvez por isso.
Mas nada disso, neste instante importa. Vieste.
E agora?

Entende que toda a vida te descrevi poema,
Criei-te miragem, fantasia.
Agora não sei que faça, não sei que diga.

Sorris porque sabes que quando tomamos
Por real o impossível,
O possível já não nos cabe mortal.

Vieste... estás aqui nos meus braços...
Perdoa-me...
Nunca antes tocara um sonho...

jorge@ntunes

4 comentários:

anrasaxa disse...

esperarmos... e consequentemente idealizamos conversas, momentos.. e quando se dá o encontro não sabemos o k fazer nem o k dizer... e se calhar a espera foi mera ilusão.. se calhar já nem o/a queremos tanto..
às vezes acontece :)
gostei de te ler...

Geminiana disse...

Querido, está sublime este poema...está um sonho.Sou teimosa sim...vou continuar lendo-te, sabes porque?Porque...

Beijosss mil :)


Geminiana

Paula Raposo disse...

Belíssimo como sempre. Beijos.

Medusa disse...

Meu amigo
Passei por aqui, como faço tantas outras vezes e, mais uma vez, encontro um poema lindo, lindo...
Este, e não me petguntes porquê, tem uma beleza especial para mim.Talvez porque falas de um sonho, mas de uma forma tão...tão...olha, não sei...gostei!!

Beijinhooooo

Related Posts with Thumbnails