domingo, abril 16, 2006

silêncios



Há no silêncio uma surdez gritante
Há silêncios que falam este instante
Sem contemplações, sem que se ouçam
Há no silêncio uma voz tocante

O ultimo grito da morte
Que não viu sol nem sorte
Que nada ouviu

Silêncio que retorna
À areia morna
Do mar que lhe fugiu

Silêncio que dói, que corrói
Os sonhos, as palavras
Silêncios que ferem
Como farpas

Vácuo, infinito de tempo vão
Eternidade sem razão
Silêncios, horas a fio
De margens sem qualquer rio

Sem leito pra percorrer
Sem alma para aquecer
Sem destino por saber

Silêncio que não se cala
Da vontade que lhe sabe a nada
Numa morte por morrer

Silêncio...
Que eu nada disse
Faça-se silêncio
Que hoje estou triste

De vos ouvir
De vos sentir
Ausentes

Que fique apenas
Este meu silêncio
Este desejo
Entre dentes

jorge@ntunes

4 comentários:

MEDUSA disse...

Por vezes também é bom... ouvir o silêncio!
Um beijo meu

Paula Raposo disse...

Silêncios que valem mais que mil palavras!! Gosto sempre do que escreves...Beijos.

Geminiana disse...

Por vezes também faço do Silêncio meu inseparável companheiro!!!O silêncio nos faz viajar, nos dá asas a imaginação...nos dá respostas que as vezes não conseguimos com palavras ter a resposta.Chega!!!SILÊNCIO!!!

Beijinhos e fica na Paz.

☆Fanny☆ disse...

Sem dúvida que há silêncios que nos apunhalam a alma e nos fazem sofrer! Aprendi a sentir o silêncio como uma forma de me encontrar...é nele que eu encontro tantas respostas a tantas dúvidas... Ele tem melodias que eu aprendi a reconhecer...é bom envolver-me em seus mistérios.

"Murmúrios de silêncio...melodias secretas,
brisas azuis que acarinham e libertam a alma,
músicas de magia...cascatas de sonhos
escorrendo no infinito dos meus pensamentos..."

Um beijo e o meu abraço em silêncio*

Fanny

Related Posts with Thumbnails