sexta-feira, outubro 22, 2010



Entre paredes de sombras
Um corpo lúcido povoa
O espaço que já foi luz
A luz, cárcere sombra

E é de carne e de lágrimas
Esse corpo consentido
Entre a pele e a alma
Cuja sombra é um abismo

E é profundo o sentir
Um sentir quase sem fundo
É uma sombra a fugir
Da sombra que cobre o mundo

É toda uma noite que assola
O silêncio que negro tomba
Sobre esse corpo translúcido
Que é sombra da própria sombra…

POETIK

leia tambem: poema para Ofélia

http://www.poetik-jorgeduval.blogspot.com/

3 comentários:

Wicked Snow White disse...

Belíssimo.

Aproveito, desde já, para agradecer o comentário que deixaste no meu blog.

Cumprimentos.

Encantadora de Abelhas disse...

Acendendo as luzes da ilusão e todas as sombras que habitam por lá, desaparecerão!
Pronto... rsrsrs

Bom findi, amigo!
BjO

Cibele de Carvalho disse...

Olá! quanto tempo não?...humildemente peço que perdoe a minha ausência...muito trabalho. gostaria tbm de lhe pedir um favor, claro, se estiver ao seu alcance. gostaria que vc colocasse meu nome verdadeiro lá no poema com o qual participei do seu prêmio, assinando como Mistie, pois agora resolvi assinar com meu nome mesmo, Cibele de Carvalho.Se vc puder fazer isso, eu agradeço.
um abraço.

Cibele.

Related Posts with Thumbnails