domingo, setembro 16, 2007

teias




Há na chuva que cai
Uma comoção que reconheço sem sentido
Ou porque o céu não sente o que verte
Ou eu, porque não verto o que sinto

Sem que se pense, a chuva cai
Sem que eu pense, assim a vejo
Ela toca-me sem sentir
Eu recebo-a de desejo

Empresto ao tempo
Este ímpeto de tempo que sou
Ocupo-lhe um espaço vago
Imergindo aonde estou

E eu estou aonde estiver a chuva
A beijar o rio, que vai ele beijar o mar
Estou no início da lágrima
Estou no fim de me chorar

Talvez a chuva afinal não caía
Talvez seja ilusão que do destino desfruta
Talvez seja eu quem caí do céu
Perdidamente sobre a chuva


jorge@ntunes

3 comentários:

Marta disse...

Você escreve intensamente! Faz quem lê escutar a chuva...
Queria dizer mais, dizer a respeito do que senti ao ler, mas não posso.

Geminiana disse...

Querido Amado! Você sempre me emocionando, tuas palavras me tocam profundamente.Tens o Dom divino para escrever belos textos e belos poemas...Parabens!Amei!
Que imagem lindaaaa vc escolheu!Tenha sempre a absoluta certeza de que depois da chuva o arco-íris vai surgir e o sol vai brilhar mais forte ok?

Doces beijinhos :)

Fica com Deus!

su disse...

A chuva cai com a beleza própria de quem se emociona com a sua beleza...
As teias... :)

Related Posts with Thumbnails