quarta-feira, março 23, 2011



É árido o vento que passa
E de sangue o olhar que fica.
Vem num cavalo branco o tempo
Trazer-me novas da vida.

Em pergaminho lacrado
A negro vem escrito o fado
Na pele suada e gasta.
Só a alma se contorce
Como a rejeitar, a morte
Que doce me chega casta.

Levito qual nuvem branda
Que cobre o sol ou o universo
Que um dia em lágrimas se desfaz
Sobre algo, incolor, perverso…

Sorvo o pó da terra
Seco inferno na garganta
Quando grito, já não grito
Sou vento que se levanta…

POETIK

1 comentário:

Wicked Snow White disse...

Mais uma vez, deixas-me sem fôlego com a tua arte. Excelente trabalho.

Aproveito para te oferecer um selo que poderás colocar no teu blog: http://schizophreniaofthesenses.blogspot.com/2011/03/primeiro-selo.html

Um beijo, meu caro.

Related Posts with Thumbnails