quarta-feira, janeiro 16, 2008

despertar





Acordo
Na manhã da ilusão
Vendo meus sonhos
Espalhados pelo chão

Em cada canto
Em cada parede
Escorrendo a alma
Da minha sede

E da janela
O sol entra sem pedir
E o meu corpo, nu e frio
Vem cobrir

E não há nada
Nem ninguém pra abraçar
Na minha cama
Em meu olhar

E acordado
Que me sinto nesta sorte
O relógio marca
As horas da minha morte

Cada segundo
Cada minuto desse tempo
É já ausência
É já lamento

Que me obriga a levantar
A vestir-me de obrigações
Pra com um mundo
Que me nega, as venturosas emoções

E assim vou vivendo
Cada dia que por mim passa
Imagem que ninguém vê
Morte vestida de farsa

Morte que não a morte mortal
Aquela que nos nega eternamente
O pensar

É morte sim mas surreal
Que nos leva eloquentemente
O sonhar

jorge@ntunes

3 comentários:

Geminiana disse...

Um poema belíssimo.Nota mil!Porém triste...
Adoro ler os teus poemas,mas digo-te que, neste exato momento, estou com receio de dizer qualquer coisa,posso te magoar e não é minha intenção.O que estou sentindo, mesmo a distância, não cabe no Universo!(:
Quem sabe quando raiar um novo dia,possamos ter um pouco mais de alegria e esperança em nossos corações...quem sabe? Eu, tudo posso naquele que me fortalece e VOCÊ TAMBÉM...é só acreditar!
ADORO-TE! Na tristeza e na alegria.

Deixo-te beijinhos no teu coração!

Ficas na Paz!

alexis disse...

sem comentarios é lindo...p...

Paula Raposo disse...

Acho que cada vez estou a gostar mais do que escreves...

Related Posts with Thumbnails