sexta-feira, junho 02, 2006

palavras de vento



Não sei porque escrevo isto
Não sei sequer se escrevo
Mato o tempo com palavras
Que à toa me caem no colo
Caem do céu, das janelas, dos sonhos.
Caem quando o vento se cansa de as levar.

Poiso-as no papel à minha frente.
A folha branca aquém virgem e pura
Ganha um corpo dentro de si,
E conhece o pecado.

É agora alma, é agora lágrima.

Não sei porque redigi isto
Não sei sequer se me atrevi
À minha frente o papel ganha asas ele também
Vai longe, já, no vento que escrevi

jorge@ntunes

4 comentários:

Paula Raposo disse...

Belíssimo, Jorge. Beijinhos, bom fim de semana.

"Anjo Meu" disse...

Querido,sabes muito bem o quanto admiro oq escreves...não estou encontrando palavras que expresse a beleza deste Poema.Só posso te adiantar que está SUBLIME,DIVINO é palavra certa...Amei!!!Tenho esperança de um dia ter na minha estante um livro de autoria de Jorge Antunes, será motivo de muito orgulho pra mim.Acredite.

Um beijinho com a ternura deste Poema :)

"Anjo Meu" disse...

Passei para te deixar um beijinho e um pequeno Poema da autora (Olga Kapatti.K)... palavras que bem poderiam ser minhas...espero que goste.Caso contrário, perdoe-me.

SEM VOCÊ

Sou alguém sem rumo,
Um barco fora de rota,
Uma árvore sem frutos,
Uma roseira sem rosas,
Um oceano sem água!!!

A verdade é que sem você

Nada Sou!

Beijinhos ternos:)

MEDUSA disse...

As palavras que te saem, são sempre muito bem colocadas. O resultado final é o que se vê... perfeito!
Seria, portanto, uma pena deixar que o vento as levasse...

Beijos
...da
Medusa

Related Posts with Thumbnails