sábado, outubro 29, 2005

desencontros




Tudo mais uma vez
volta-se a repetir
mais uma vez é de vez
é desta que vou partir

embarco no mar revolto
no cais não deixo saudade
aceno ao horizonte
em terra fica outra idade

e vou ao sabor do vento
na intriga do destino
vou ao fundo e subo aos ceus
num suspiro repentino

range a noz em que balanço
estala, parte, faz-se em pó
não há rasto de gaivota
rasgo a noite e voo só

mergulho noutro lugar
noutro mundo talvez
e a alma volta a sentir
que mais uma vez é de vez

jorge@ntunes

6 comentários:

gnose disse...

A frustração dos nossos sonhos leva-nos muitas vezes a mergulhar na escuridão...

Maria do Céu Costa disse...

Diria que este seu poema retrata um desencontra sem raizes o chegar a um lugar onde tudo é despido de nadas. Apreciei este seu trabalho. Bom fim de semana.

mar_praia disse...

"embarco no mar revolto
no cais não deixo saudade"

Isto não é verdade, deixarás sempre muitas saudades...

Gostei muito do poema mas sinto-o carregado de tristeza e desilusão. Tens de te libertar desses sentimentos...

Beijo grande e continuação de bom fim-de-semana

Paula Raposo disse...

Mais uma vez...é de vez!! A caminho da plenitude, a caminho de tudo o que é bom...e será de vez! Beijinhos, bom domingo

Paula Raposo disse...

A música é linda...esqueci-me de dizer isso!! Com esta música, tudo é maravilhoso...e só mais uma vez, e é de vez...eheheheheh beijinhos, Jorge.

Anónimo disse...

O Poeta é um eterno sonhador...Seu pensamento voa a procura do amor e da felicidade...Vc pode encontrar a felicidade nas pequenas coisas da vida...Vc pode ser feliz até mesmo nos desencontros...Desejo que a vida se torne um canteiro de oportunidade pra vc ser feliz...Um beijo grande de quem te quer bem...
Geminiana

Related Posts with Thumbnails